Mais Mano Brown: reflexões pós-eleições (parte 1)

“Não citei Mano Brown à toa no título desta coluna.

(…)

O discurso de Mano Brown no ato em defesa da Democracia e dos Direitos, que se personificava na figura do então candidato Fernando Haddad foi muito mal interpretado, principalmente pelos setores médios do progressismo. Mas o intelectual orgânico, forjado nas ruas do Capão Redondo, estava apenas alertando para como a barbárie havia se instaurado nas relações e cotidiano das periferias e o quanto a falta de presença e de construção coletiva (portanto não enxergando indivíduos periféricos apenas como objetos de estudo ou que deveriam receber “a consciência” das universidades) estava cegando a nossa defesa por princípios democráticos. Apesar de recente pesquisa dizendo que a maioria dos brasileiros defende a democracia como modelo político, não foi possível saber na mesma pesquisa o que cada um destes brasileiros entende por democracia – um conceito, afinal, tão elástico e que passou por tantas mudanças na história.”

Para continuar lendo, clique aqui

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s