Quem sou? por Amnéris Maroni

Conheci Amnéris Maroni em 1983, através do coletivo da revista Desvios, de cujas reuniões participei em meados daquele ano. Belíssima revista, durou umas 5 ou 6 edições. continuei acompanhando, com as dificuldades da época, os trabalhos e publicações da Amnéris. Tenho até hoje, todo anotado, seu livro sobre a ocupação da fábrica da Ford naqueles anos heróicos de final de ditadura e retomada do sindicalismo e outros movimentos sociais. ela refletia sobre autonomia, hierarquias, gênero. Depois perdi contato. Há alguns anos localizei seu blog, simplesmente maravilhoso, profundo, necessário. Daí ela descontinuou o blog, que nem aparece em algumas ferramentas de busca. Linco aqui a apresentação que ela faz de si mesma no blog, em que se define como uma “buscadora fracassada”:  “Quem sou?”. Vale muitíssimo a leitura. 

E, como de costume, reproduzo aí embaixo alguns parágrafos como aperitivo para a leitura:

“Grande parte da minha vida ‘voltei os meus olhos para dentro’ para minha própria subjetividade que não poucos chamam de alma, querendo saber quem sou[3]. Foram décadas de perscrutação estudando C. G. Jung, os românticos e não abandonando a pergunta jamais. Jung foi meu anfitrião   e me conduziu muito bem permitindo-me fazer uma etnografia da alma. Foi também importante por que através dele, da sua experiência como analista e da sua teoria, compreendi que era possível “curar-se” da psicose sem passar pelo Édipo. Tenho grande amor pelas ciências sociais e, em especial, pela antropologia e com ela aprendi a desconfiar dos universais, principalmente de uma espécie de universal-fim chamado Édipo.”

(…)

“Ao ‘voltar os meus olhos para dentro’ não encontrei, porém o que buscava:   a resposta para a pergunta quem sou. Depois de muito trabalho psíquico posso dizer que me deparei com o meu próprio desconhecimento — muito embora saiba hoje muito melhor como funciono. Paradoxalmente quanto mais me conheci mais me desconheci! Mais misteriosa fiquei para mim. Senti algo que não se deixa decifrar:  Jung chamou esse ponto de Self — e embora o tenha nomeado não sabe também do que se trata. O único contato que hoje tenho com essa busca são os meus sonhos que, ao longo dessa experiência se transformaram e, hoje, parece-me são ‘encenados’ por aquele ponto indecifrável e, de fato, inominável como tão bem descreveu José Saramago”.

A frase de Saramago a que Amnéris se refere aparece como epigrafe desse texto:

“Dentro de nós há uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos[2].

Leia a íntegra, explore os demais textos, descubra as pequenas maravilhas que Amnéris Maroni oferece em seu blog Ponto de Vista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s